• Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

© 2014 por RLB/CPT Todos os direitos reservados

Entrevistas 42º Festival

Leia aqui as entrevistas dos alunos que foram indicados nas categorias Adulto e Infantil do 42º Festival de Teatro Popular Permanente do CPT! Conheça mais sobe cada um deles, seus desafios, conquistas e saiba também como funciona nossos cursos na voz daqueles que mais entendem: nossos alunos!

 

Entrevista com Bruna Ferreira

1-    Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Professora Cris.

 

2-    Qual a sua maior qualidade?

Facilidade de interpretação.

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Canto.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Curto tudo, mas prefiro mesmo é o grande dia da estreia.

 

5- O que dá mais frio na barriga quando o assunto é o espetáculo?

Chegar atrasada no dia do espetáculo.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por que?

 

Os dois. Tragédia porque adoro atuar em cenas dramáticas e Comédia porque gosto e tenho facilidade em arrancar sorrisos e gargalhadas.

 

Parabéns pela indicação  Bruna! O CPT fica muito feliz em tê-la por perto!

 

Entrevista com Ana Teresa

Conheçam um pouco mais a Ana Teresa! Ela está agora ensaiando para seu 10º espetáculo junto ao CPT! Com tanta experiência assim, você vai com certeza descobrir algo novo lendo esta entrevista. Mãos à obra?

 

1-    Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Minha maior inspiração foi  Monteiro Lobato e todas as suas Emílias, em todos os tempos que encantaram a crianças e adultos com sua alegria.

 

2-    Qual a sua maior qualidade?

Para mim, a minha maior qualidade é que sempre estou feliz, e sou eu mesma em todas as situações!

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

O que eu mais amo é atuar, mas também amo cantar, e já estou começando a desenvolver, fazendo aulas, workshops, peças, fotos e testes! Me sinto muito feliz e realizada tanto cantando quanto atuando

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Eu amo tudo ️ ️

 

 5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

O que mais me dá frio na barriga é quando tenho cenas sozinha no palco, kkkk, mas eu AMO ️

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

 

Bom, acho que atuaria bem em qualquer uma, pois quando recebo o meu personagem me dedico e procuro sempre montar o personagem do melhor jeito possível! Então, acho que com dedicação e força de vontade, conseguiria fazer qualquer um muito bem.

 

Parabéns pela indicação  Ana Teresa! O CPT acompanha com muito carinho seu empenho e dedicação! Continue assim!

 

Entrevista com Danuza Ruas

A Danuza fez diversas personagens, entre elas personagens masculinas, no espetáculo dirigido por Argileu Rodrigues. Nesta entrevista ela nos conta um pouco de suas experiências no processo do curso junto ao CPT e também no grande dia da apresentação. Vamos ler?

 

1-    Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Argileu Rodrigues, meu professor e diretor, pelo seu grande entusiasmo e também pelo seu contagiante ​amor pelas artes cênicas e pela  dança e música.

2-    Qual a sua maior qualidade?

Estar ​mais ​madura...  Consequentemente, menos ansiosa, mais compreensiva, menos crítica...  

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Capacidade de improvisar.

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Curto tudo, mas prefiro mesmo é o grande dia da estreia!

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Medo de errar as entradas e/ou de perder o "time" e também de não ser capaz de improvisar para "ajudar"​ um colega.

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Gosto dos dois mas acho tragédia menos difícil...

 

Parabéns pela indicação  Danuza! O CPT se alegra em ter alunas como você!

 

Entrevista com Luiza Figueiredo

A Luisa fez o papel da importante musicista Chiquinha Gonzaga. Nesta entrevista ela nos conta dos seus desafios, do que mais curtiu durante seu semestre no CPT. Vamos ler! Lembre de deixar seu recado no final!


1-Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Acredito que a minha maior inspiração neste semestre foi a própria Chiquinha Gonzaga

 

2-Qual a sua maior qualidade?

Eu sou muito persistente e dedicada.

 

3-Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Não sei se isso seria considerado um "talento artístico" mas eu gostaria de ser menos tímida, não ficar muito nervosa durante a apresentação e melhorar um pouco minha articulação.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Com certeza o dia da estreia que é, ao mesmo tempo, o mais aterrorizante e o mais legal, porque aí você vê o resultado incrível do esforço da turma depois de meses de ensaios.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Sabe, quando você atua, principalmente pela primeira vez, fica com muito muito muito muito medo de tudo de errado acontecer: ocorrer algum problema no camarim, ser julgado pelo olhar de quem nos assiste ou até de cair do palco. Mas, talvez, a pior coisa seja ter vergonha de representar em público,  o que cria uma espécie de "bola de neve" porque aí você tem que enfrentar o olhar da plateia (que parece 100x mais acusador), se errar sua fala não conseguirá improvisar e vai começar a gaguejar e daí, no final da peça vai considerar a sua atuação péssima.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

 

Em uma tragédia, porque eu tenho o "riso frouxo" aí começaria a rir nos ensaios e seria muito difícil de me conter na hora da apresentação.

 

Parabéns pela indicação Luisa! Adoramos sua sinceridade, descontração e vontade de seguir adiante!

 

Entrevista com Gabriela Rodrigues

Conheçam a Gabriela! Ela é aluna do CPT há alguns anos. Saiu, retornou, e cada vez mais demonstra sua vontade em crescer e aperfeiçoar-se na arte teatral. No espetáculo apresentado, ela fez diversas personagens, e ajudou a contar a história do fundador do CPT, Ronaldo Boschi, em texto roteirizado e dirigido pela filha dele, Jordana Luchini. Vamos ver o que ela tem para nos dizer?

 

1-Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Não sei se tive uma só inspiração esse semestre. O que mais me motivou foi a emoção que queria transmitir em uma peça tão importante.

 

2-Qual a sua maior qualidade?

Sou uma pessoa bem comunicativa.

 

3-Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

 

Na música. Tenho contato e já tive aulas de piano, mas queria desenvolver mais. O CPT inclusive me deu a oportunidade de aprender acordeom em uma das peças, foi incrível.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Eu amo tudo. Pegar o texto e uma das minhas partes preferidas, e ao saber a personagem, fica perfeito. Mas o dia da apresentação é mágico, e uma emoção diferente, de realização.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

A plateia com certeza!!! Depois de tanto tempo, há uma segurança no texto, mas plateia faz uma certa pressão, deixa os atores nervosos.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Comédia. Já fiz os dois, mas de acordo com alguns papéis, desenvolvi melhor a parte da comédia, é mais natural pra mim.

 

Parabéns pela indicação Gabriela! Ficamos muito felizes em saber que você sempre encontra novos desafios pelo caminho e está disposta a vencê-los!

 
 

Entrevista com Mariana Berquó

Conheçam um pouco mais sobre a Mariana! Ela que concluiu seu 2º curso junto ao CPT atuando no espetáculo sob direção de Cris Oliver e fazendo nada mais, nada menos que Maria Clara Machado em pessoa! Vamos conhecê-la um pouco mais e saber o que sentem os atores durante e após o processo de ensaios e apresentação?

 

1-Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

 Ana Jara e Chiara Parravicini

 

2-Qual a sua maior qualidade?

Ser simpática.

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Cantar.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Pesquisa e laboratório, sempre me empolgo (até demais).

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Quase tudo me deixa nervosa no dia do espetáculo, acho que por não querer decepcionar a Cris.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Com certeza drama, porque raramente consigo fazer uma piada ser rir antes de terminar.

 

Parabéns pela indicação Mariana! Esperamos que continue evoluindo a cada trabalho!

Entrevista com Catherina Piazza

A Catherina se destacou no espetáculo Maria Clara Machado para Crianças fazendo a Mãe do Vicente, além de uma narradora e do Boi.  Toda sua versatilidade a fez destacar-se no trabalho e a garantiu o Troféu do 42º Festival de Teatro do CPT! Vamos conhecê-la um pouco mais?

 

1-Qual foi seu maior desafio desse semestre?

Meu maior desafio foi conseguir responder às expectativas da minha professora Cris Oliver porque ela confiou muito em mim, e fiquei com um pouco de medo de não conseguir fazer com que ela ficasse orgulhosa de mim.

 

2- Qual o momento mais brilhante da sua atuação nesse semestre?

Com certeza foi no dia da estreia do espetáculo, porque tudo aquilo que ensaiamos, elaboramos, podia ser provado naquele instante.

 

3- Qual maior desafio enfrentado em sala de aula?

O maior desafio foi lembrada as entradas, lembrar das falas da personagem certa.

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Os ensaios.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Aqueles segundos de agonia antes de falar o texto.

 

6- O que o professor/diretor ou equipe do CPT te proporcionou de mais legal em seu semestre?

Com certeza a confiança que ela depositou em mim, porque isso me fez pensar se realmente eu sou capaz de atuar.

 

7- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Eu prefiro comédia, mas acho que eu atuaria melhor em uma tragédia.

 

8- Dedica seu prêmio a alguém?

Ninguém em especial.

 

Parabéns pela premiação Catherina! Estamos muito contentes com seu empenho e dedicação!

 

Entrevista com Nathalia Tenaglia

A Nathalia fez teatro com o CPT nas turmas infantis e por lá levou um troféu. Ela resolveu dar um break e retornou muito inspirada para ser um Diário no espetáculo O Diário de um Artista. Este espetáculo contou o que o fundador do CPT, Ronaldo Boschi, relatou em seus diários de vida desde os 16 anos até seu ano de morte, 2013. Roteirizado e dirigido por Jordana Luchini Boschi, filha de Ronaldo, o espetáculo deu vida aos diários e suas memórias. Vamos conferir o que este diário tem para nos contar?

 

1-    Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Sendo sincera, minha maior inspiração esse semestre foram eu mesma e minha vontade de fazer teatro, ainda mais por causa da pausa que fiz semestre passado.

 

2-    Qual a sua maior qualidade?

Minha maior qualidade é a facilidade com que tenho de lidar com problemas e conseguir, pelo menos algumas vezes, encontrar alguma solução para eles.

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Eu gostaria de aperfeiçoar minha voz para o canto, pois mesmo tendo uma voz que as pessoas dizem ser bonita ainda tenho muita coisa para melhorar.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Curto tudo, mas prefiro mesmo é o grande dia da estreia.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Medo de errar o texto.

  

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Acho que em uma tragédia, pois, de certa forma, penso que a comédia é muito mais complexa que a tragédia, principalmente porque fazer uma piada que faça uma grande quantidade de pessoas rir não é fácil, mas adoraria tentar o desafio.

 

Parabéns pela indicação Nathalia! Estamos felizes em tê-la de volta conosco!

 

Entrevista com Juliana Fontana

A Juliana está no CPT há alguns anos, e sempre aceita novos desafios de cabeça erguida! A cada espetáculo ela descobre novas habilidades e se percebe melhor enquanto atriz. No espetáculo Maria Clara para Crianças, dirigido por Cris Oliver, não foi diferente! Confira o que ela nos conta!

 

1-Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Maria Clara Strambi, tive o privilégio de contracenar com ela na peça ‘Pinceladas do Sudeste’, na qual ela fez o papel do “Jumento” e eu uma “Galinha”... Ela atuou muito bem e como meu papel principal na peça Maria Clara Machado para crianças foi um “Burro” me inspirei nela.

 

2-Qual a sua maior qualidade?

Participação e interesse nas aulas.

 

3-Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Bom, gostaria de aprender técnicas de canto.

 

4-O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Criação e construção da personagem

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Muitas coisas complexas entre si, mas que resultam em uma só palavra: empolgação! Fico ansiosa em saber que o grande dia chegou....

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Em minha opinião em comédia, pois minhas caras e bocas são muito engraçadas e às vezes me fazem sorrir do nada. Gosto também de desenvolver expressões bem divertidas para tirar sorrisos das pessoas.

 

Parabéns por mais esta indicação Juliana! Todo seu empenho tem valido a pena!

 

Entrevista com Eni Taveira

A Eni já fez vários espetáculos junto ao CPT, e a cada um deles desponta-se em algo novo. Nesta entrevista ela nos conta um pouco mais de seu processo, daquilo que mais a deixa nervosa antes de entrar em cena e também de suas maiores alegrias durante os ensaios. Vamos conferir?

 

1- Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Sinto-me motivada para o encontro semanal com todos os meus colegas, mas a minha maior inspiração é o meu diretor Argileu. Ele inspira confiança. Sinto segurança. Tenho enorme admiração e respeito por ele e pelo seu trabalho.

 

2- Qual a sua maior qualidade?

Comprometimento. Para mim estão inclusas nesta palavra, responsabilidade e pontualidade.

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Dança de salão e dança contemporânea. 

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Curto tudo, mas prefiro mesmo é o grande dia da estreia.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Medo de errar o texto.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

 Não saberia responder. Talvez seria melhor em tragédia, inclusive minha primeira indicação a prêmio no CPT foi tema trágico. Mas tenho vontade de fazer comédia. Seria enriquecedor para minha auto avaliação. Gostaria de atuar também em teatro infantil.

 

Eni, parabéns por mais esta indicação ao Troféu CPT. Isto apenas confirma seu empenho e vontade de crescer!

 

Entrevista com Marina Lemos

A Marina foi aluna do CPT nas turmas infantis e agora, após uma pausa dos palcos, ela retornou na turma adulta sob a batuta da diretora Jordana Luchini. O espetáculo O Diário de um Artista, roteirizado pela diretora, trouxe à vida os diários escritos pelo fundador do CPT, Ronaldo Boschi (1947-2013) ao longo dos anos. Que tal acompanhar um pouco do que ela tem para nos contar?

 

1- Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Minha maior inspiração nesse semestre foram os diários, os livros e

os quadros  do Ronaldo Boschi, pois me fizeram perceber que nós podemos fazer o que amamos e que mesmo sendo difícil, no final dará certo! 

 

2- Qual a sua maior qualidade?

Minha maior qualidade é a de ser alegre sempre, de saber que com um sorriso no rosto tudo fica mais fácil!

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Não tenho um talento específico no qual quero me desenvolver. Quero crescer como atriz em todas as formas. 

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Criação e construção do personagem 

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Medo de errar o texto. 

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Eu atuaria melhor em uma comédia, visto que eu gosto muito desse gênero e acho que tem tudo a ver comigo!  

 

Parabéns pela indicação Marina! O CPT fica muito feliz em tê-la de volta! 

 

Entrevista com Kayque Lima

Conheçam o Kayque! Ele fez as personagens Pluft e O Cavalinho Azul no espetáculo Maria Clara Machado para Crianças, dirigido por Cris Oliver. Apesar de ser ainda uma criança, ele já sabe o que quer e nesta entrevista ele se abre e nos conta um pouco do que sentiu durante o semestre junto ao CPT. Vamos Lá?

 

1-Qual foi seu maior desafio desse semestre?

Minha maior inspiração esse semestre foram os atores que já fizeram o papel do Pluft.

 

2- Qual a sua maior qualidade?

Minha maior qualidade é ser amigo.

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

Gostaria de desenvolver o talento para cantar.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

 

Curto tudo, mas prefiro mesmo é o grande dia da estreia.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

Medo de errar o texto

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Eu atuaria melhor na comédia porque gosto de fazer as pessoas sorrirem.

 

Parabéns pela indicação Kayque! O CPT espera que você continue crescendo a cada trabalho!

 

Entrevista com Warley Tomaz

O Warley é novato no CPT. Mesmo assim, já demonstrou grande empenho e vontade de fazer acontecer! Ele interpretou diferentes personagens das obras de um dos maiores autores brasileiros no espetáculo Nelson Rodrigues: Vida e Obra. O roteiro do espetáculo é de Jordana Luchini e a direção coube ao professor de longa data Argileu Rodrigues. Conheça um pouco mais das inspirações e aspirações do Warley!

1- Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

A interação e determinação da turma para com a trama que construímos.

2- Qual a sua maior qualidade?

Creio que seja a ousadia de não me adequar a padrões e tabus.

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

A corporeidade!

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Os ensaios porque são divertidos, tiram-nos boas risadas e tocam em todas as dimensões do processo de construção.

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena:

A ansiedade que precede a apresentação. Porque provoca em mim a expectativa com o não-feito, do que há de ser sempre uma potencial novidade.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

 Ainda não participei de uma peça cômica para me decidir por uma delas. Mas ambas têm suas delícias.

 

Parabéns pela indicação Warley! Seu empenho valeu a pena! 

 

Entrevista com Leandro Rodrigues

Aluno antigo do CPT, Leandro afastou-se por um tempo dos palcos para viver novas aventuras. Em 2017 ele retornou ao grupo com mais vontade do que nunca. No espetáculo Lamartine Babo, dirigido por Jordana Luchini e Argileu Rodrigues, ele viveu personagens diversos e se apresentou no Teatro de Bolso Sesiminas. Um espaço compacto, que permite o contato próximo à plateia. Saiba um pouco mais sobre ele e o que ele viveu junto ao CPT! 

 

1-    Qual/quem foi sua maior inspiração este semestre?

Meu Pai. Ele sempre foi meu maior incentivador e sei que ele, lá de cima, ficou muito orgulhoso do que fiz.

 

2-    Qual a sua maior qualidade?

Trabalho em equipe. Eu gosto de ajudar a fazer a coisa acontecer. 

 

3- Qual talento artístico você gostaria de desenvolver?

O canto. Além de ser um elemento importante no trabalho de ator, é algo que eu gosto.

 

4- O que você mais gosta no processo de construção do espetáculo?

Curto tudo, mas prefiro mesmo é o grande dia da estreia.

 

 

5- O que dá mais frio na barriga na hora de entrar em cena?

Eu sempre tive um fraco imenso com improvisação. Não que me dê frio na barriga, mas, o que sempre me preocupa é não conseguir contornar uma situação urgente em cena.

 

6- Você atuaria melhor em tragédia ou comédia? Por quê?

Sinceramente, não sei dizer. No CPT especificamente nunca atuei em um espetáculo que fosse 100% uma ou outra coisa. Os espetáculos em que atuei, ou eram biográficos, ou eram historiográficos e continham tanto cenas dramáticas, quanto cômicas. No geral, desde 2008, quando fiz meu primeiro curso de teatro, atuei mais em comédias. Ainda assim, não digo que sou melhor nelas. Faço-as bem. E espero conseguir o mesmo nas tragédias.

 

 

Parabéns pela indicação, Leandro! O CPT alegra-se em ter você de volta!